夏合宿 Natsu Gasshuku 2015

Nos dias 17 e 18 de Janeiro, aconteceu o acampamento da Bugeiko Inzando Ryu (Natsu Gasshuku 2015), evento que ocorre anualmente com praticantes selecionados. Este ano em especial, foi realizado […]
Nos dias 17 e 18 de Janeiro, aconteceu o acampamento da Bugeiko Inzando Ryu (Natsu Gasshuku 2015), evento que ocorre anualmente com praticantes selecionados. Este ano em especial, foi realizado no interior do Paraná (Brasil) e contou com diversas atividades e treinamentos específicos para esta ocasião. O Natsu Gasshuku 2015 foi direcionado pelo Diretor Internacional Kyoshi Dinatale (Buenos Aires - Argentina).

"O diferencial do Bugeiko é que você precisa se superar primariamente, mas isto não precisa ser sozinho, pois haverá companheiros para te ajudar, e isso, vivenciado de forma tão intensa por mim, foi indescritível. Ver-me limitada, amarrada, vendada e, ainda assim, após o Kyoshi Dinatale me acalmar, confiar totalmente naqueles ao meu lado, que embora estivessem na mesma situação que eu, me apoiaram de uma forma que há muito eu não sentia. O bugeiko é assim, é isso: você se supera, mental e fisicamente, você vence seus limites, os sente e ultrapassa, embora cada qual a seu tempo. Você faz coisas que antes achava que não pudesse fazer, que não conseguiria. Você sorri, se sente contente e grato por tudo, apesar das dores, dos hematomas, sujeira, dos animais ao redor. Você se sente em paz consigo e com a natureza." (Seito Carol S. Moro)   "Quando comecei os treinos de Bugeiko, fazia movimentos fracos com medo de machucar alguém. Me faltava firmeza. Aprendi a melhorar isso no acampamento, firmar os movimentos, fazer com mais intensidade e vontade, fazer os Kamaes (posturas) e movimentos com bastante precisão, começando lentamente para pegar o movimento e aos poucos aumentar a velocidade. Os ensinamentos do kyoshi são ensinamentos para se absorver rapidamente, pois nunca se saberá quando teremos outra oportunidade de ouvir mais. Uma das melhores sensações foi, em ver pela primeira vez, vagalumes e um céu cheio de estrelas que não se vê numa cidade, por causa da iluminação. Me sentir em família, foi gratificante pois sabia que poderia contar com todos. Depois dessa experiência, me sinto revigorada, com o espírito mais forte. O corpo dói, mas meu espírito está mais firme. Me sinto melhor e cada vez mais quero aprender, me superar e acima de tudo: ser feliz!" (Seito Débora Albertoni)   "Esse meu terceiro acampamento, décimo segundo para o Bugeiko Kai Brasil, foi muito importante porque me deixou mais consciente sobre o que é a prática do Bugeiko. O amadurecimento pessoal e artístico (durante os anos de prática) nos faz mais do que enxergar e sentir, nos faz compreender melhor o que significa cada etapa e cada exercício.  O que foi bom para mim, nem sempre será bom pra você, mas será melhor para todos, pois me tornará uma pessoa melhor e, consequentemente, serei um indivíduo melhor, e aquilo e aqueles que me circundam também melhorarão. E só através da experiência, da prática constante é que se ganha, pouco a pouco esse entendimento. Saber sem sentir, é confusão. Sentir sem saber, é ilusão. Saber sentindo, sentir sabendo, eis o caminho. Omedetô a todos os participantes por cada obstáculo vencido, mas principalmente pelo espírito de equipe, que desses três acampamentos que participei, nesse último foi o qual mais senti isso. Nosso kiai foi arrebatador!" (Seito Andréia Alves)   "O cansaço físico já se mostrou desde o primeiro momento, somente por ter que assentar o terreno para o acampamento. Ao afastar e cortar grama, galhos meus olhos ardiam com o suor que pingava sobre eles, auxiliado pelo calor do sol e eu já me pegava pensando: “Só até aqui?!? Não é possível que você vai desistir agora...”. Mas, depois de ver todos juntos, trabalhando para um só motivo, me veio a força do além, para continuar a trabalhar. O momento mais singular para mim foi o treino noturno. Ao mal conseguir ver as técnicas apresentadas e limitações físicas no combate, me deparei com a seguinte dúvida: “Será que conseguirei seguir o caminho que meu mestre vem me guiando?” e, estes pensamentos como uma flecha que me ameaçava logo voavam para longe sem sequer me raspar, pois tinha a convicção firme que faria meu máximo para honrar à toda confiança depositada e que não iria desistir ali. A noite têm sido desde tempos antigos inspiradora de muitos pensadores, formuladora de mitos, lendas e superstições e sempre símbolo de mudança. Esta instiga nossos pensamentos com a quietude, com as luzes das estrelas, com essa misteriosa energia que emana do mais profundo da floresta e quando a encaramos, podemos obter visões sobre nós mesmos, sobre nosso futuro e sobre a vida que nos cerca. Queria me despedir desde texto agradecendo a todos os que participaram, os que confiaram em mim durante este tempo de prática me ensinando mais neste momento único que foi o acampamento. “Ichi go, ichi e”. Oss!" (Deshi Paulo Castelani)   "Neste Acampamento tive alguns momentos de deja-vú, quando tenho, me lembro apenas da ação que estava fazendo e fragmentos do local mas não lembro o contexto, se sonhei ou se foi uma experiência já vivida. A meditação após o treino noturno, foi uma experiência e sensação nova. Foi um acampamento que me fez relembrar a minha jornada no Bugeiko, de como foi ser um Kohai, Seito, Senpai e Deshi. Relembrando todos esses momentos, conhecendo os novos integrantes da família Bugeiko e revendo o crescimento dos outros membros da família, me deu um momento de felicidade de ter experimentado tudo isso." (Uchideshi Nilo Takahashi Okuyama)